Homensqueamamdemais's Blog

Site para discussão do amor masculino

TRECHOS DO LIVRO HADES

ELAS ESTÃO SE IGUALANDO A NÓS. E AGORA?

 

 

 

A mulher vem assumindo um papel cada vez mais importante na sociedade, trazendo mudanças sócio-culturais e históricas. Começando pelo direito ao voto e terminando pelo direito de sentirem-se como vocês, poderosas, autossuficientes, provedoras. Como você lida com isso?

Leia exemplos de como eles sentem. Aqui, converso com Q. A.:

– O que você acha da mulher moderna?

Q. A. – Bom, de certa forma, acho-a mais atraente, fácil de pegar, está pronta para o sexo assim como nós, homens, e está mais disponível e menos recatada. Por outro lado, questiono-me sobre a solidão que sinto e a modernidade da mulher.

– E o que isso tem a ver?

Q. A. – Tem tudo a ver. A modernidade traz à mulher o sentimento de poder, de caça e, falando-se em termos afetivos, nós homens não nos sentimos mais os caçadores, conquistadores. Tudo está fácil, é como entrar numa farmácia e pedir por medicamentos sem receitas, intoxicar-se com eles e no dia seguinte acordar com uma ressaca moral horrível. Hoje em dia o homem sonha com a mulher “à moda antiga”, que não se exponha tanto e que tenha o sentimento aguçado de amar, querer ser protegida e conquistada. Elas assustam em atitudes. Por exemplo, se chego solteiro a uma festa, sei que irei conhecer centenas de mulheres. Na hora a sensação é única e boa, sou o rei da festa, mas depois me bate uma angústia inexplicável, o vazio toma conta de mim e queria poder sentir algo por uma única mulher. Esse algo seria amor, afeto, proteção.

– Você não acha que poderá encontrar uma mulher moderna que queira ser conquistada?

Q. A. – Sinceramente, não sei. Hoje em dia elas querem igualdade. Concordo com essa igualdade no sentido profissional, mas não concordo com a igualdade no sentido afetivo.

– Se as mulheres estão assim tão adiantadas e atiradas, não seria o momento propício para ambos os sexos refazerem a suas teorias sobre amor, sexo e monogamia? Afinal, o que vale para um vale para o outro, certo?

Q. A. – Hoje em dia, sinto que elas estão adiante nesses temas. Eu, por exemplo, já me apaixonei por mulheres e quando tivemos a nossa primeira noite de amor, elas fugiram, sumiram, como se o fato consumado fosse um término do que deveria ser o início de uma relação.

– Você está falando como uma mulher carente, percebe?

Q. A. – Estou falando como um ser humano carente que não encontra na sociedade moderna formas de encontrar uma mulher que se encaixe comigo. Mas não irei desistir, ela há de estar em algum lugar esperando por mim. Quem sabe no passado? (Ele ri baixinho e baixa a cabeça pensativo).

Q. A. está confuso, não consegue entender as informações que são passadas a ele, pois em sua infância o modelo era outro e agora ele se depara com uma mulher totalmente diferente daquela que lhe foi dita como “modelo ideal”.

Na verdade, o que devemos pensar é que, independente da época, mesmo com valores culturais e sócio-econômicos se modificando, há algo no ser humano que é imutável e esse algo é o caráter; um comportamento pode ser modificado, mas um caráter, nunca.

Por isso você deve guiar as suas conquistas no conhecimento desse fato, não é a minissaia que a torna diferente nem o bom salário. No fundo, saiba que ela sempre vai querer e buscar é um homem que a trate como par, e não como ser inferior; ela busca alguém que a conquiste, mas assim como você, ela está perdida num mundo novo e até fictício!

A MULHER INACESSÍVEL:

 

J. O. me encontrou na internet e, sabendo da minha pesquisa sobre amor patológico, resolveu me confidenciar a sua vida.

Ele não quis se apresentar pessoalmente. Então, através de conversar por mensagens instantâneas, descreveu-me uma história triste e a definiu como: “cansativa demais para prosseguir.” Ele me conta que ama desesperadamente uma mulher mais velha e não sabe como lidar com a situação. Virginia é casada e diz que o ama, prometendo o rompimento com o marido, mas nunca o faz. A situação já dura dois anos e o estado de cansaço de J. O. é imenso.

A questão que mais me chamou atenção foi o fato dele não conseguir identificar nela uma posição de manipulação, tentando justificá-la a qualquer preço, mesmo que não houvesse acusações, apenas o interesse pela história contada.

Os dois se encontram quando ela pode escapar. Não é permitido na relação que ele telefone, tenha outras mulheres ou saia sem autorização dela. Pergunto-lhe se segue essas “regras” e ele diz que sim, mas faz questão de frisar: “A culpa não é dela. Veja, ela teve um passado difícil e atualmente o marido não facilita para ela em nada. E então, eu preciso ajudá-la!”

Percebam a deturpação da realidade, a necessidade de modificar a mulher que ama e a cegueira pela realidade que o cerca.

Ele se diz cansado, mas não quer sair deste cansaço. Então, questiono se esse cansaço não é algo que faz parte de um padrão dele de infância e vou mais a fundo. Pergunto, ele me conta tudo, chegando a um ponto muito interessante. Sua mãe era uma mulher muito ambiciosa e bonita, e o caos familiar se deu quando o pai descobriu que ela tinha uma vida dupla, com outra família. J. O. me diz que na época não houve grande tumulto ou brigas explosivas, mas que o silêncio o matava aos poucos. Após três anos de silêncio torturantes, ele resolveu conversar com o pai. Nessa época ele tinha apenas 12 anos de idade. O pai o abraçou e disse: “Não se aflija, mamãe irá mudar, é só questão de tempo.” A situação era frágil e a informação na mente dele ficou estampada como: “Tudo bem, isso é normal, só precisamos esperar e as coisas mudarão…”

Sem perceber, agora, adulto, ele está mantendo o mesmo tipo de relacionamento que presenciou na infância e, por isso, apesar de cansativo, o que ele passa torna-se familiar, e o familiar nos é identificado é há um espaço aconchegante nele. Mas, nem sempre o padrão que conhecemos quando crianças é o que nos fará feliz, mas existe nesse padrão o sabor do passado tão conhecido e real e seguimos como marionetes para a parte de nós que diz que estamos seguros, mesmo que inconscientemente saibamos que esse lugar escolhido é sombrio e perigoso…deus12

 

Anúncios

6 Respostas to “TRECHOS DO LIVRO HADES”

  1. carlos said

    é o que ja disse no outro post, sinto exatamenre isso que o homem disse, tudo está facil demais e sem graça demais tb!

  2. Bruno said

    encontrei o seu livro graças a minha mãe que viu sua entrevista na tv e estava muito preocupada comigo, eu conheci uma garota pela internet que era de outro estado, nos apaixonamos via internet e a cada dia que passava sonhávamos mais em estar juntos um dia, depois que ela finalmente veio me conhecer nos apaixonamos mais ainda e não tivemos duvidas resolvemos morar juntos, mas depois disso nossas vidas viraram um caos, pois vejo que sou um Hades, eu tenho ciúmes compulsivo de tudo, monitoro o dia dela, brigo a humilho, etc…tudo na minha cabeça pq acredito que ela não seria fiel a mim aqui, pois quando éramos namorados virtuais ela tinha outros casos, me encontro em sofrimento total, o dia todo, fico pensando nela, no que fazer para agrada-la, faço coisas de filmes, românticas na esperança que isso faça ela não querer me trair, ela não querer me deixar, a amo muito, já pensei em suicídio, ela também, vivemos assim já a algum tempo e gostaria muito de ajuda, pois sei que estou doente e não quero perder ela, pois acredito que a amo de verdade e que ela também por me ”aturar”…
    Sei que você é uma pessoa muito ocupada, mas se quiser entrar em contato comigo, nem que seja para conhecer um Hades por favor me contate, esse sofrimento me corrói e gostaria de conversar com alguém que entende do assunto.
    P.S.Acabei de comprar seu livro

  3. Edson nogueira said

    Homens da minha idade (entre 25 e 30) estão muito assustados com a postura da mulher hj em dia!Tudo é fácil demais e por isso muito “dificil” !!!

  4. Hugo Souza da Silva said

    Já passei por tudo isso e hoje me considero curado, por experiência própria. Não considero que meu aprendizado seja o melhor, mas tenho tido uma vida sentimental de aualidade depois que “entrei no personagem” do cara que quer uma vida melhor (Oras, eu mereço).

    O método é simples, mas requer autocontrole. Se você gamou na primeira olhada e ela correspondeu de cara o mais provável é que ela seja parceira do seu jogo doentio, seja ele qual for. Convém ir com calma. Os sinais do jogo aparecem logo de cara, fique atento.

    Quanto a nova mulher de hoje em dia ser “fácil”, não é bem assim. Existem dois tipos fáceis, uma é parceira de seu jogo, a outra é extremamente carente mas ainda ligada demais na vida anterior. Os dois perfis vão apresentar sintomas similares, só que o segundo tipo pode vir a ser uma parceira perfeita, caso você tenha paciência de mostrar como ela deve se desvencilhar do passado e se tornar realmente livre. Isso se você já sabe como fazer isso… Se você ainda se sente inseguro, lembre-se, ensinando a gente aprende. Amor não é nada do que te ensinaram ou do que você lê ou vê nas telas e telinhas, é só uma amizade maior que a comum, com sexo e responsabilidades pelo meio. Amor é extremamente simples, complicados somos nós. Leia o livro.

    Então fica a fórmula mágica: FACIL + RÁPIDO = PERIGO.

  5. Hugo Souza da Silva said

    Quanto as mulheres modernas serem atiradas, pra quem é tímido como eu isso é uma benção.

    No entanto, o que eu vejo mesmo não é a igualdade. A igualdade foi nos anos 90. Agora a maioria das mulheres quer comandar o relacionamento. A imagem de que todo homem é um cachorro que deve andar na coleira vem seduzindo as pretensas mulheres modernas. Na verdade o que acontece é que a mulher quer os direitos dos homens, mas nunca vão abrir a porta do carro para um deles, nem puxar a cadeira no restaurante. Mas exigem esse tratamento para elas mesmas. Onde está a igualdade? Na verdade a igualdade é uma impossibilidade biológica e psicológica. As mulheres nascem com instintos e estrutura hormonal completamente diferentes dos homens. O que deve haver é companheirismo e reconhecimento mútuo das diferenças que não vão deixar de existir porque alguém quer assim. Um mito em que quase todos acreditam é que amigos não podem se envolver romanticamente. Na verdade, olhe em volta, os melhores casais são os que foram amigos sem compromisso um dia. Continuam amigos no relacionamento.

    Vivemos hoje debatendo tolamente dezenas de mitos criados por velhas crendices, obras famosas de pessoas mal amadas, chauvinismo (que não quer dizer apenas coisa de homens, é coisa de dominação, seja de homens ou mulheres), má educação familiar e sabe-se lá que outras origens. A midia dá continuidade e força a esses mitos porque as pessoas querem acreditar nisso, continuar nos seus joguinhos de perseguir o impossível.

    A verdadeira mulher moderna sabe que existem diferenças que nunca poderão virar igualdades, a não ser que homens virem mulheres ou vice-cersa. Também sabe que se não conviver com essa verdade vai acabar seus dias sozinha, deixando um rastro de homens também sós. O verdadeiro homem moderno conhece seus limites e trata sua mulher da forma como queria ser tratado, de igual pra igual. Os dois sabem que respeito, compreensão, carinho e, principalmente, honestidade, é que mantém um relacionamento de qualquer nível.

  6. Fabio said

    Mulheres modernas me irritam , creio que saber entender a mente delas é precisar ser submisso.
    Mas melhorei bastante , com o livro e terapia , mesmo assim sinto que preciso de mais apoio , pois sinto algo um pouco paranoico em relação a elas , muita modernidade ,isso assusta!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: